30.6.07

Alerta

Sucesso absoluto da sugestão do professor Luis Gonzaga Belluzzo de se estampar na primeira pagina dos diários e na capa das revistas uma advertência sobre o conteúdo dos próprios, como se faz sobre maços de cigarros.
Algo assim como: o ministério das Comunicações adverte: este órgão apoiou o golpe de 1964 e suas conseqüências. Grande numero de internautas aprova, nem um único, escasso sinal de protesto.
Notável a anotação de José de Almeida Bisp, atilado freqüentador da ironia. O golpe foi obra dos milicos e ponto. Ninguém mais entrou nessa da minoria branca. Meu fraternal amigo Raymundo Faoro avisava: cuidado com a ironia, a maioria não entende. É verdade, mas nós gostamos de ser da minoria irônica. (Blog do Mino)

Sogra

Pra não dizer que o Casa está fechado para festa, vai aí uma piadinha:

Depois da cerimônia de cremação da velha, todos os familiares e amigos dela se encontram ao redor da urna contendo as cinzas e olhando o forno ainda quente.
Depois de alguns minutos em que muitos murmuravam diante da cena, o genro, que havia bebido todas, pede a palavra para discursar.
Sobe com dificuldade em uma cadeira e brada na maior comoção etílica:
- E agora, meus amigos... uma salva de palmas pro churrasqueiro!!!

29.6.07

John

O repórter chega para um vereador e pergunta:
-E então, vereador, o que o senhor achou da acusação contra o John?
O nobre par titubeia por uns instantes, já vai saindo de lado e diz:
-O quê? O John Lennon foi acusado por algo grave e indecente? No mínimo deve ter sido por plágio. Essa eu não sabia. Tem que processar mesmo. E agora você me dá licença que eu tô ocupado.

O tempo avua

Se não der uma baita geada nessa madrugada, amanhã tio Lukas vai colher mais um pé de alface na horta da vida.

Ó o ferro

A ONG Davida, que comanda a grife Daspu, vai processar os acusados de espancar a empregada doméstica Sirley Dias Carvalho Pinto, 32, no Rio. Sirley foi espancada e roubada por volta das 4h30 de sábado (22) quando estava em um ponto de ônibus na avenida Lúcio Costa, na Barra da Tijuca (zona oeste).
Ela havia saído cedo de casa para ir ao médico. Um dos presos admitiu o espancamento e disse que o grupo pensava que a vítima fosse uma prostituta.

9 mil de mesada

Com tantas faculdades de jornalismo Brasil afora, com tantos profissionais que se formam todos os anos, e tendo em vista a pouca oferta de trabalho, podemos afirmar uma coisa: Mônica Veloso é uma jornalista que deu certo.

Sai fora que é rolo

De leitor do Casa:
" (...)Dia desses vi o cantor Falcão em um programa de TV em que ele dizia que dentro em breve um cara que não seja boiola será discriminado pela sociedade. Ri muito na hora, mas como em muitas coisas que o Falcão diz existe um grande fundo de verdade. Se você andar pelas bandas onde moro, aqui perto da UEM, tem-se a impressão que a gente é um estranho, dada a quantidade de baitolas e sapatonas que se vê por aqui" .

28.6.07

Nosso homens em Brasília

Em 2007, o Brasil destinou para a manutenção do mandato de cada um de seus 594 parlamentares federais quase quatro vezes a média do gasto dos parlamentos europeus e do canadense. Pelos padrões europeus de gasto parlamentar, o orçamento do Congresso brasileiro - equivalente a R$ 11.545,04 por minuto - poderia manter o mandato de 2.556 integrantes.
O mandato de cada parlamentar brasileiro custa hoje 2.068 salários mínimos - mais que o dobro do que ocorre no México, segundo colocado entre os países pesquisados, e 37 vezes o gasto proporcional ao salário mínimo registrado na Espanha.
Um congressista custa 11,5 milhões por ano aos cofres públicos (dinheiro nosso). Já um senador sai pela bagatela de 33 milhões/ano. É mole?
Os gastos verificados por cada deputado brasileiro é de 101 mil mensais, contra R$600 mil anuais de cada membro da Càmara dos Comuns britânica. Cada parlamentar brasileiro consome mais do que o dobro de um parlamentar de um país em que a renda per capita e o custo de vida são muito superiores aos do Brasil.

Carl Barks

O site http://duckman.pettho.com/characters/characters.html descreve todos os personagens de Patópolis (Duckburg, no original) .Tio Patinhas nasceu em 1867 em Glasgow, na Escócia, e morreu em 1967, em Patópolis.
Donald nasceu, assim como Margarida, em 1920 e ambos estão vivos até hoje. Os irmãos Metralha nasceram em 18?? e morreram logo após 1952. Os trigêmeos, Huguinho, Zezinho e Luisinho vieram ao mundo em 194o e ainda estão vivos, assim como o professor Pardal. Já o professor Ludovico foi pro vinagre junto com Vovó Donalda (1855 +- 1970). A cidade de Patópolis foi fundada em 1818 por Cornélius Pato no estado de Calisota (mistura de Califórnia e Minnesota).
Lógico que são elucubrações do pessoal que criou o site, mas não deixa de ser interessante. O homem que criou Duckburg e todos esses personagens já se foi. Então resta aos fãs viajar na maionese e inventar moda. ( P.s.: Odiei escrever elucubrações)

Impunidade

Do jeito que a coisa anda, daqui a pouco vamos ter de nos identificar através das palavras honesto ou desonesto. A impunidade grassa em todos os níveis, todo mundo é inocente até que se prove o contrário, mas ficou muito fácil provar a inocência, mesmo que ela não exista. Os escândalos estão aí todos os dias, provas existem, evidências são incontestáveis, mas mesmo assim as penalidades nunca aparecem e, quando surgem, não são aplicadas.
A função dos advogados está cada vez mais complicada. Os melhores profissionais não são mais aqueles que defendem a inocência pura e simplesmente, mas sim os que conseguem, apesar de todas as provas em contrário, convencer que o que está provado não é bem aquilo e que a única verdade é aquela que interessa ao seu cliente (...). (Sylvia Romano)

Carne pirata

Depois de brinquedos, CDs e softwares piratas, a China surge com mais uma novidade: a exportação de carne brasileira falsificada para os mercados da Europa e Rússia. Em muitos casos, as carnes são chinesas, mas empacotadas como sendo produto brasileiro e até com certificados falsificados escritos em português.

27.6.07

Ouro de Tolo

Certa vez, lá por 1983, estava no bar Clube da Esquina, na Colombo com a Demétrio Ribeiro, point da galera da UEM, na época. E aí eu caí na besteira de falar que não gostava nada do Raul Seixas, e que pra mim era uma merda. Quase levei porrada da turma. Bom... o "Maluco Beleza" faria 62 anos amanhã, caso não tivesse usado 200% de sua cabeça animal e 150% de seu fígado animal

Primo pobre

O texto é longo e foi enviado como comentário numa postagem do blogue. Mas é muito bom, apesar de antigo, e o Conselho do Casa Grande e Senzala resolveu publicar na íntegra.

Circulou semanas atrás em São Paulo uma "brincadeirinha" sobre o comercial então veiculado na televisão pela Pepsi-cola, em que aparece um homem branco, alto e bem vestido, conduzindo o filho pela mão em um estádio de futebol, ambos tomando uma latinha de refrigerante enquanto torcem pelo clube patrocinado pela Pepsi, o Corinthians.


Seria mais uma entre tantas gozações que torcedores de futebol assacam regularmente uns contra os outros. É bem mais que isto, porém. Diz assim:"A fábrica de refrigerantes Pepsi-Cola está sendo processada por propaganda enganosa. Tudo devido aos erros e mentiras de seu mais novo comercial de TV.


1- O pai chega com o garotinho no estádio. Erro: desde quando corintiano sabe quem é seu pai?2-O garotinho não estava usando gorro!
3- O garotinho não falou uma palavra errada sequer e nem falou "mano"!
4- O garotinho corintiano possuía a arcada dentária completa (que absurdo)!
5- O garotinho era branco!
6- O pai corintiano comprou o refrigerante, não roubou!
7- Refrigerante de corintiano é no máximo uma tubaína!
"O texto é chocante. O tom de "piada" permite que venham à tona, com toda a crueza, os preconceitos grosseiros que povoam o imaginário e o inconsciente de nossa sociedade. Só por isto mereceria uma reflexão atenta. O que quero discutir, porém, é o significado de tais baixarias continuarem sendo associadas ao Corinthians, como é de costume há décadas.


Quem olhar qualquer torcida de futebol em São Paulo dificilmente encontrará grandes diferenças étnicas, renda ou de escolaridade. As poucas pesquisas recentes sobre o perfil dos torcedores paulistanos confirmam que os percentuais de cada clube são quase os mesmos nas diferentes faixas de renda e instrução. Há muito mais corintianos do que palmeirenses e são-paulinos, em proporções semelhantes, nas favelas e na elite, nas universidades e entre os que mal conseguiram cursar o 1º grau.


Por que então todos estes epítecos ofensivos são associados aos corintianos, e nunca aos demais torcedores?A resposta só pode estar nas representações que a sociedade paulista faz dos clubes de futebol, ou nas representações que faz de si mesma por meio dos clubes de futebol, por meio das quais se expressam os preconceitos , os rancores, a herança do passado, coisas que não se dizem abertamente nesta sociedade dissimulada e oblíqua.


É a única explicação para tanta gente repetir com prazer e "bom humor" grosserias de tais proporções, grosserias dirigidas de fato contra os pobres, contra os negros, contra os não-brancos. Como "não fica bem" atacá-los ou ridicularizá-los abertamente os corintianos ocupam nestas brincadeiras o lugar do imaginário de todos os pobres, de todos os negros, de todo os desclassificados.


De que são acusados nas frases "espirituosas" sobre o comercial da Pepsi?De não saberem quem é seu pai (gentinha sem origem, sem berço!), de não serem brancos, de não terem dentes, de não saberem falar, de serem ladrões e, síntese de tudo, de serem pobres! Afinal, coitados, só podem mesmo comprar tubaína...Por que o Corinthians ocupa este lugar?


O Corinthians nasceu pobre mesmo, em 1910, fundado por trabalhadores no Bom Retiro, aberto a todas as raças e a todas as cores, a todas as nacionalidades. Era só mais um clube de várzea na sua origem, mas logo quis furar o monopólio dos senhoritos, os filhos da velha elite e dos novos-ricos, os únicos que tinham direito de jogar o futebol oficial.


O Corinthians foi o primeiro clube da várzea a conseguir entrar na Liga Paulista de Futebol e a participar do seu campeonato, em 1914, quando foi campeão paulista primeira vez. Conseguiu entrar na liga disputando um torneio seletivo, em que derrotou alguns dos clubes mais fortes da elite paulistana. Num destes jogos, a imprensa registrou com surpresa que aqueles trabalhadores eram capazes de jogar de se comportar como pessoas educadas, como se fossem "parte da sociedade".


Quem era o Corinthians desta época?O primeiro presidente se chamava Miguel Battaglia, o segundo Alexandre Magnani, nomes italianos inconfundíveis. Já na década de 1910, um negro se destacava na equipe alvinegra, Davi, um centro-médio talentoso. O primeiro grande ídolo do clube era filho de portugueses, o inesquecível Neco.
Além dele, o time tricampeão paulista de 1924 tinha nomes como Rueda, Del Debbio, Ciasca, Peres e Tatu, este um típico cafuzo brasileiro, pele escura, cara mestiça.Na foto do time de 1937 se destaca o negro Brandão, grande ídolo da época, ao lado do inconfundível Jaú, negro alto e forte, com seu gorro na cabeça prenunciando a moda dos pretos e pobres desta cidade de todas as cores.


O Corinthians atraía todos eles, brasileiros migrantes de toda parte, espanhóis e portugueses, árabes e judeus, japoneses e alemães, e boa parte dos italianos pobres.Tantos anos depois, o velho alvinegro continua sendo a imagem dos mais pobres dos muitos pobres desta terra, em especial a imagem dos negros, dos não-brancos.O clube criado por trabalhadores cresceu, deu certo. E nunca perdeu esta marca, como mostra a "brincadeira" sobre o comercial da Pepsi. Como conseguiu mantê-la? Esta é uma boa pergunta.


Os pobres e trabalhadores estão excluídos da direção do clube há muito tempo, São poucos os jogadores que de fato "amam a camisa" ou que vieram dos campinhos de terra do Parque São Jorge. Há muito tempo o clube é controlado e dirigido por novos-ricos, gente pouco escrupulosa, de moralidade duvidosa. Nada diferente do que ocorre nos outros clubes de futebol profissional e em outras organizações amplas neste país.


O clube ficou quase 23 anos sem ganhar nenhum título importante, do início de 1955 ao final de 1977. Apesar da enorme migração para São Paulo neste período, e da concorrência do grande Santos e da academia palmeirense, e ainda do São Paulo do início dos anos 1970, a torcida corintiana cresceu sempre e continuou muito maior que as demais. Em outros Estados brasileiros não foi assim.


De alguma forma, ou de várias formas, o Corinthians continuou atraindo o afeto e a paixão dos pobres desta terra,dos que já estavam aqui e dos que chegavam, vindos dos lugares mais diversos. Talvez os tenha atraído por continuar muito parecido com eles, Talvez eles tenham podido se reconhecer no alvinegro, sempre capaz de grandes feitos e de grandes vexames, heróico e vencedor em momentos difíceis, quando as forças parecem esgotadas, e capaz de tropeçar nas próprias pernas de despencar nos infernos quando a glória está já ao alcance da mão. "Corintiano, maloqueiro e sofredor, graças a Deus", repete a galera corintiana, orgulhosa de si mesma.


O velho Corinthians continua o mesmo no imaginário da nossa sociedade. É como um intruso, alguém diferente, alguém portador de um pecado de origem.É assim que o Corinthians aparece no imaginário das elites, orgulhosas do São Paulo, o clube pó-de-arroz do Morumbi que criaram na década de 1930 para não terem que torcer para times de pobres ou de imigrantes "carcamanos", um clube da elite, com seus senhoritos pó-de-arroz, mas com algum espaço também para os que se sentem felizes fazendo de conta que, torcendo para o clube da elite, ficam um pouco parecidos com a elite.


É assim que o Corinthians aparece no imaginário dos italianos enriquecidos, inconformados por terem de conviver com pretos, mestiços e pobres, os "brasileiros", por todos os lados nesta São Paulo babilônica, os mesmos italianos enriquecidos e preconceituosos que se afastaram do Corinthians para fundar em 1914 um clube só seu, o Palestra Itália, fechado a pretos e mulatos, fechado à gentinha desdentada e ignorante que até hoje procuram humilhar, o mesmo Palmeiras que resistiu até o início dos anos 1950 para deixar um negro jogar no seu time e até poucos anos atrás não permitia a entrada de negros ou não-brancos nas festas de sua sede, fossem ou não torcedores do clube.


Pouca gente sabe de todas estas histórias, muitos juram que não são verdadeiras, outros dizem que são coisas do passado distante e que não têm mais nada a ver. Mas têm, sim. Os preconceitos e as grosserias estão aí para quem quiser ver, à flor da pele, reproduzidos e reiterados nas piadinhas e nas brincadeiras com que as sociedades reconstroem e reafirmam continuamente os valores que as mantêm e as constituem.


Gosto do meu Corinthians principalmente por isto: é o clube identificado com os pobres, é o clube em que se representa a malta dos deserdados, o sanatório geral, a gente sem berço, a gente sem classe, a gente do meu país.Estou no lugar certo, no lugar em que me sinto bem, em que eu também me represento, como alguém que teve o privilégio de estudar, que teve boas condições na infância mas que não esquece a pilhagem secular que as elites desta terra praticaram contra os desdentados desta terra injusta, contra os pobres sempre acusados de ignorantes e ladrões por aqueles que sempre fizeram de tudo para privá-los de educação e de condições materiais para viverem com dignidade.


Estes mesmos trabalhadores e pobres de todas as cores e de todas as origens foram capazes de criar um clube de futebol que deu certo, que cresceu e que continua representando a imagem dos muitos milhões que sonharam, sorriram, gozaram e sofreram com ele nestes noventa anos.Gosto muito do meu país mestiço, desdentado, cafuzo e confuso, preto e branco.Gosto muito do meu alvinegro, do meu Corinthians!
(Carlos Eduardo Carvalho é economista (Caros Amigos, ano IV, nº 41, agosto 2000)

26.6.07

O Pasquim

Tava passando batido. Hoje faz 38 anos do lançamento do Pasquim. Tio Lukas teve dois cartuns publicados no tablóide em 1985, e a assinatura nos cartuns (Marcos César) foi banido pelo Jaguar, que sugeriu Lukas...
O jornal O Pasquim marcou época, em plena ditadura e foi um instrumento de combate à censura utilizando muito humor.
Possuia uma equipe de fazer inveja a qualquer um: Paulo Francis, Tarso de Castro, Jaguar, Ziraldo, Millôr Fernandes, Henfil, Ivan Lessa, Ferreira Gullar, Sergio Cabral, Flávio Rangel e muitos outros.

Perca um tempinho e leia esse texto do Tarso de Castro ( que já se foi). Isso é que é liberdade de expressão.


BICHA
Millôr Fernandes chegou da Europa e é bicha: Martha Alencar é bicha e o marido dela, o Hugo Carvana bicha; o Sérgio Cabral, por sua "vez, tem vergonha, acha que pai de família não deve confessar isso mas eu sei é bicha; o Paulo Francis, que fica fazendo aquele bico, é bicha; o Chacrinha, nem se fala, é bicha; o Gérson mesmo jogando pra burro, é bicha; o Fortuna é bicha, bicha declarada, o Armando Marques é bicha; a tia da namorada do Denner é bicha; a namorada do Denner é bicha; o Denner é bicha;

o Edvaldo Pacote é bicha, a Gal Costa é bicha; a Elis Regina é bicha; o Nelsinho Motta é bicha; os Luiz Carlos Maciel são bichas, os Monteiro de Carvalho são bichas; os Monteiro de Carvalho são bichas, menos um, por falta de tempo, o Ricardo Amaral é bicha; aquêle amigo do Ricardo Amaral é bicha; o Jaguar é bicha; o Jaguar é bicha; o Jaguar é bicha; o Jaguar é bicha; o meu contrabandista é bicha; ele é bicha; o Flávio Rangel é bicha; o Pedro Álvares Cabral era bicha; o Antônio Houaiss é bicha;

o Ulisses é bicha; o Maneco Muller é bicha; o Fernando Fernandes é bicha; o Vinícius de Moraes é bicha; o Carlos Drummond de Andrade, que ainda não me deu aquela entrevista, é bicha; o Sérgio Cavalcanti é bicha; o Jaguar é bicha; os contatos de publicidade, o Ewaldo e o Paulo Augusto, são tremendas bichas; e o chefe dêles, o Grossi, é bicha;

o lvon Cury é bicha; o Daniel Mas, sem qualquer apelação, é bicha; como bicha é, também, o Antônio Guerreiro; o José Silveira é bicha; o Manolo é bicha;
o Chico Buarque é bicha; o Caetano Veloso é bicha; o Gilberto Gil é bicha; o Roberto Carlos é bicha; o Erasmo Carlos é bicha; o Zózimo Barroso do Amaral é bicha; o Jaguar é bicha; a Márcia Barroso é bicha; a Scarlet Moon de Chevalier, digo, a Scarlet é bicha, a Moon é bicha e a Chevalier é bicha; meu Deus, como o Paulo José e Dina Sfat são bichas; ah, sim, o Ênio Silveira é bicha; como esquecer que a Danusa é tão bicha como a Leão; bicha, também, pois, a Nara Leão, e o Cacá Diégues, que é marido dela, é bicha;

e o Glauber Rocha, como todos os baianos, é bicha; a Rosinha, mulher do Glauber, é uma tremenda biçha; o Antônio Guerreiro é bicha; o Jaquar, que eu ia esquecendo, é bicha; o José Hugo Celidônio é bicha; nunca vi ninguém tão bicha quanto o Rogerio Sganzerla; bicha, mesmo, paravaler, é o lbrahim Sued, que não pode ser mais bicha; Doval é bicha; Jairzinho é uma bicha radical; falando em bicha: como vai você, Henfil; Minas Gerais é um viveiro de bichas;

Ziraldo, por exemplo, quem pode negar? É a maior bicha de Caratinga; aliás, se vocês não sabem, esse tal de Caratinga também era bicha; o filho do Jaguar, tão pequenino já é bicha; também, o professor dêle é bicha, sô; ah, Virgem Santa, o João Saldanha é bicha; o César Thedim é bicha e a Tonia Carreiro, para provar o dito, também é bicha, falando nisso, o John Mowinckel é bicha; e o Pedrinho Valente, embora ainda não saiba, é bicha; a êsse lá sabe: o Ivo Pitanguy é bicha; há alguém mais bicha do que o Sérgio Bernardes? há, o Jaguar; ah, que saudades que eu tenho da bicha Cláudio Abramo; Afonso, Afonsinho, Afonsão, todos bichas; os Afonsos em geral, todos bichas,- tenho melancolia do Rio Grande do Sul porque as bichas que aqui são bichas não são bichas como lá;

Olavo Bilac é bicha; o bigodinho do Oscar Niemayer não me engana; é bicha; ora Tom Jobim, vai ser bicha lá com a bicha do Frank Sinatra; como se não bastasse, de bichas, é claro, agora ainda anda por aí aquela bicha da Florinda; a bênção, minha bicha Baden; falando em bicha nada melhor do que uma bicha do Jorge Ben depois da outra; Charles Anjo 45 é bicha enrustida;

você é bicha; o leitor, todos os leitores, são bichas; fala, bichonilda Sérgio Noronha; a Olga Savary é bicha e o livro dela é mais bicha ainda; Paulo Garcez é a chamada bicha respeitável; Jango é bicha; Brizola é subverbicha; e a Wanderléia, segundo a bicha do Flávio Rangel não a do no sentido possessivo mas do êle, Flávio - é bicha ternurinha; e quem diria, hem? todos os Macedos Soares são bichas; Rubem Braga anda caindo de tanto ser bicha.
Este parágrafo é bicha.
Por outro lado, Maria Bethânia é bicha; a democracia é bicha; êle é bicha mas eu não sou louco de dizer; salve a bicha mais bicha de Londres, a bicha do Ivan Lessa; o Jaguar é bicha, o Ferreira Gullar já representou o Maranhão no concurso nacional de bichas; todos os componentes do velho PSD são bichas; Paulo Mendes Campos é a bicha mais intelectualizada que eu conheço; falando em bicha, vocês lá viram que coisa mais incrível o gênero bicha-barbuda que é o Carlinhos Oliveira?;

bicha para falar a verdade, mas bicha mesmo, é o Hélio Fernandes; criança, nunca verás uma bicha tão grande quanto a Maria Raja Gabália; fala minha bicha Marlene Dabus; você é tão linda, Teresa Souza Campos, mas é bicha, Joaquim Pedro e MeIo Franco e, portanto , bicha, pois todos os MeIo Franco são bichas; a Danusa Leão, insisto, é bicha; olha aqui, ô Matarazzo, não queira me comprar:, tôda a familia é bicha; e tem mais:
vocês lembram da Maysa, ex-Matarazzo? Pois é bicha, bicha é a torcida do Flamengo; e a do Botafogo se existisse, bicha seria; os velhinhos do Vasco são bichas; o Fluminense, vocês sabem, andam de salto alto; todos os brasileiros são bichas; Europa, França e Bahia - tudo bicha; Ásia, África, América e Passo Fundo, tudo bicha; inclusive o Jaguar, tudo bicha; é a maior bichite da história do mundo; que, por sinal, é bicha.
O único macho do mundo é o Nélson Rodrigues.

O velho "Pasca"

"Entre sem bater", pedia o aviso na porta da redação. A frase, de um velho humorista conhecido como Barão de Itararé, não se referia à porta, mas ao pessoal que trabalhava atrás dela. Foi com essa irreverência debochada que O Pasquim, semanário carioca fundado em junho de 1969, desafiou a truculência do regime militar.
Sete meses antes, em dezembro de 1968, o presidente Costa e Silva havia assinado o Ato Institucional número 5, cassando direitos políticos e fechando o Congresso Nacional. Opositores foram presos, mortos ou exilados. Nesse panorama sombrio, um grupo atrevido – comandado pelo cartunista Jaguar e representado pela figura do ratinho Sig – decidiu lançar um tablóide contestador para cutucar com vara curta as onças do poder.
A equipe contava com nomes de peso, entre eles Ziraldo, Millôr, Paulo Francis e Henfil. Colaboradores como Vinícius de Moraes, Jô Soares e Glauber Rocha juntaram-se ao time.
Liberdade de expressão: Sig, mascote do jornal, cutucou militares com vara curta e Leila Diniz deu uma entrevista escandalosa para os padrões da época.
Entrevistas informais, sem roteiro preestabelecido, enfocavam áreas diversas. Numa semana o arcebispo Paulo Evaristo Arns defendia os Direitos Humanos; na outra, a atriz Leila Diniz chocava os conservadores ao falar de sua vida sexual.
Uma atração à parte era o slogan da primeira página, que mudava a cada edição. Por exemplo: “Quem é vivo sempre desaparece”, “Um jornal que não pode se queixar” e “Um jornal capaz de ouvir e entender estrelas, principalmente quatro”.
Charges, caricaturas, dicas culturais, quadrinhos, artigos informativos e opinativos, fotonovelas... tudo cabia nas páginas de O Pasquim. Além da política, o outro alvo predileto da publicação eram os preconceitos da classe média. A fórmula agradou, pois a tiragem inicial de 20 mil exemplares elevou-se para 200 mil em um ano. Mas a ousadia teve seu preço.
Em novembro de 1970, quase toda a equipe foi presa por alguns dias sem maiores explicações. Houve números recolhidos das bancas. Foi instituída a censura prévia. As pressões afastaram anunciantes e intimidaram distribuidores.
O Pasquim entrou em uma crise financeira da qual nunca se recuperaria. Ainda assim, sobreviveu até 1989, saboreando a anistia e a retomada da democracia no país, vitórias nas quais teve papel decisivo.

Pesquisa

Caso Vavá e crise aérea não afetam presidente Lula, diz pesquisa CNT/Sensus
A aprovação do presidente Lula atingiu 64% em junho, o segundo melhor resultado desde 2005. Na pesquisa anterior, realizada em abril, 63,7% disseram aprovar o presidente.
Crise aérea
De acordo com a pesquisa, 58,8% dos entrevistados disseram acreditar que o governo federal tem condições de controlar a crise do tráfego aéreo do país.
No entanto, o percentual de acompanhamento da crise diminuiu: 45,5%. Em abril, 54,9% disseram acompanhar o problema.
A pesquisa verificou que 67,2% dos entrevistados afirmaram não conhecer ninguém que tenha sido prejudicado pela crise aérea. Só 23,2% conhecem alguém atingido.
A pesquisa ouviu 2.000 pessoas de 18 a 22 de junho em 136 municípios de 24 Estados.
Comentário do noqueiro: " A grande imprensa vai ter que cavar outra pra tentar ajudar a dar o golpe no presidente. Mas não demora muito e eles vêm com mais uma".

Ali Química

Lógico que o noqueiro nem vai dormir com essa notícia e seu nível de colesterol vai subir 0,43 pontos ao saber da novidade.
A Perdigão comprou por R$ 77 milhões as marcas de margarina Doriana, Delicata e Claybon da anglo-holandesa Unilever. No ramo alimentício, a Unilever produz os sorvetes da marca Kibon, além de ser dona da Maizena, Pomarola, Hellmann´s e Knorr. (Luiz Nassifu- do Conselho Engordorial)

Cabeça de colonizado

Os países ricos não querem que a melhor agricultura do mundo entre em seus mercados para beneficiar seus consumidores.
. A soja, o etanol, o suco de laranja, o frango, os suínos, a carne de boi etc, etc, etc do Brasil não podem entrar nos mercados europeu e americano.
. Se pudessem, haveria mais emprego e mais renda no campo brasileiro.
. Se pudessem, seria uma vitória de um princípio básico da economia liberal, uma vitória do livre comércio.
. Numa reunião em Podsdam, na Alemanha, o Brasil se levantou da mesa e foi embora porque os países ricos agem contra o interesse nacional brasileiro e o aumento do emprego e da renda do povo brasileiro.
. E a mídia conservadora (e golpista) prefere reproduzir o Presidente Bush e responsabilizar o Brasil pelo fracasso da reunião.
. Manchete do Estadão: “Países ricos culpam Brasil e índia por fracasso da OMC”.
. Manchete da Folha: “Bush e Europa culpam Brasil por fracasso em negociação comercial”.
. Ou seja, o Estadão e a Folha olham para o Brasil da perspectiva dos países ricos.
. É o que se chama de “cabeça de colonizado”.
(Paulo Henrique Amorim)

Tomaram no guru

Policiais da Divisão de Investigações Criminais (DIC) de Balneário Camboriú e da Polícia Civil de Ponta Grossa (PR) prenderam ontem, às 7h, em uma cobertura no Centro de Balneário Camboriú, o guru acusado de receber mais de R$ 1 milhão em dinheiro e imóveis de clientes de Santa Catarina, Paraná e São Paulo, em troca de previsões.
Jurandir Landi Sobral, 56 anos, ficou conhecido por participações em programas de TV transmitidos em rede nacional, como os da Xuxa, na Rede Globo e do Ratinho, no SBT. De acordo com o delegado André Manoel de Oliveira Filho, da DIC, a influência de Sobral pelas aparições na TV lhe garantia acesso a clientes da alta sociedade, dos quais arrecadava grandes quantias.
No Paraná, as vítimas relataram no inquérito, aberto há mais de um ano, que o guru era consultor espiritual e garantia previsões, mas elas não se concretizavam.
De acordo com o delegado Homero Vieira Neto, uma das denunciantes disse ter perdido um imóvel de R$ 400 mil para pagar o guru.

25.6.07

Maringá- SP

Localizado na zona leste da capital paulista, o Jardim Maringá tem a sua origem a partir de um loteamento de uma área muito extensa, que deu origem também à Vila Matilde. Quem implantou o loteamento que originou esse bairro foi Juvenal Ferreira, cunhado de Dona Escolástica Melchert da Fonseca – que era a proprietária da gleba original e que ia desde a Guaiaúna até a Fazenda do Carmo, conhecida hoje como Parque do Carmo. A foto é de um sobrado geminado que está à venda por 220 mil.

Pontualidade

O noqueiro pode não acreditar, mas é a pura verdade e eu não iria perder tempo escrevendo isso caso não o fosse.
Em frente à nossa casa, do outro lado da rua, existem duas árvores enormes da espécie ficus. Dezenas de pardais se aglomeram ali para dormir, a calçada das duas casas e o asfalto vivem ensebados de cocô das aves. Mas, isso é normal.
O que eu queria dizer mesmo é o seguinte: tenho estudado o compartamento dos pardais. O quarto no qual trabalho fica de frente pra rua e daí a oportunidade de apreciar coisa tão linda e metódica. (Linda porque a calçada não é minha)
Todas a manhãs, exatamente (eu disse exatamente porque marco no relógio) às 6 e 45 eles acordam e começam a fazer o maior salseiro. Piação geral. Acho que eles ficam discutindo e deliberando se vão pra roça ou vão ficar na cidade mesmo. A coisa dura até por volta das 7 e meia. Aí eles partem sei lá pra onde.
À tarde, exatamente às 5 e 15 eles voltam e ficam no mesmo clima e a coisa se estende até lá por 6 e 15. Eu fico imaginado o que que esses filhos da mãe ficam discutindo, ou conversando. A natureza é coisa linda.

Will Eisner

A Devir Livraria acaba de relançar "Um Contrato com Deus e outras histórias de cortiço" (R$ 48,50), um livro em quadrinhos assinado pelo mestre Will Eisner.
Comprei esse livro em 1988 quando estava numa pindaíba danada. Por isso ainda não entendo como consegui fazê-lo. Estou achando o preço muito alto, sei lá. Mas, para quem gosta de quadrinhos e está cheio das "paia", o Casa recomenda.
São quatro histórias com finais muito tristes:
Na primeira, um menino judeu, de bom coração, e que ajuda a todos em sua aldeia natal na URSS é enviado aos EUA. Durante o trajeto ele faz um pacto com Deus. Bem mais tarde, já na América, sua filha adotiva morre e ele desmancha o contrato maldizendo a Deus. Vira um grande empresário do ramo de imóveis e abandona sua tradição judaica. Fica no ar a coisa errada nos últimos cinco quadros finais. Mas que vai dar errado vai.
A segunda história é sobre um cantor de rua, alcóolatra, desempregado e que é "adotado" por uma maestra decadente que o quer como amante e parceiro no mundo musical. Lógico que dá errado.
Na outra HQ, um zelador solitário é seduzido por uma garotinha e a coisa acaba de forma trágica.
A quarta HQ- Cookalein- (para mim, a melhor) entrelaça a vida de pessoas durante férias em uma pousada. Cada um com um sonho de conquista e devaneios pessoais. Mas, no fim... não vou nem falar.
Todas as histórias são reais e apenas a narrativa e as retratações as converteram em ficção, segundo Eisner. Tudo se passa em torno de um cortiço, nos anos 30, tempo ruim para os americanos, principalmente para os imigrantes, moradores desses prédios.


A capa aí é da primeira edição brasileira, de 1988.


Jack Kerouac

Este é um trecho da última página de Viajante Solitário, de Jack Kerouac. Nesse livro ele descreve suas andanças pelos EUA, México e Europa, como vagabundo [ a fim de escrever livro sobre]. A obra foi publicada em 1960. O cara fez de tudo: jornalista esportivo; limpador de convés; frentista de posto de gasolina; ajudante de cozinha e lavador de pratos; balconista de lanchonete; apanhador de algodão; trabalhador da construção civil, entre outroas ocupações.

"Os vagabundos da América que ainda conseguem viajar de uma maneira saudável, mantêm-se em boa forma, podem se esconder em cemitérios e beber vinho em bosques de árvores fúnebres e dar belas mijadas em cima de pedaços de papelão e quebrar garrafas nas tumbas e não dar a menor bola nem se aterrorizar com os mortos (...) Mas, oh, os vagabundos pobres dos bairros sórdidos!


Lá está ele, dormindo num portal, com as costas contra a parede fria, cabeça caída, com a palma de sua mão direita para cima, como se esperando receber algo da noite (...) a mão como a de um mendigo, suspensa no ar formando uma sugestão que revela o que ele deseja e merece receber, moldando o gesto da esmola, o polegar quase tocando na ponta dos dedos (...)


' Por que me tomam o que tenho direito, por que não posso respirar na paz e na suavidade da minha própria cama e sou obrigado a esperar aqui, nesses trapos anônimos e repugnantes, nesse portal humilhante, sentado à espera que as rodas da cidade se movimentem? E mais : não quero mostrar minha mão, mas durante o sono estou desamparado, não posso endireitá-la, aproveitem a oportunidade para verem minha súplica, estou sozinho, estou doente, estou morrendo- vejam minha mão virada, desvendem o segredo do meu coração humano, dêem-me o que eu preciso, dêem-me a mão, levem-me para as montanhas de esmeralda para lá da cidade, conduzam-me a um lugar seguro, me levem para onde tudo seja paz e amizade, para a vida familiar, minha mãe, meu pai, minha irmã, minha mulher e você meu irmão, você, meu amigo- mas não há esperança, nenhuma esperança, eu seria capaz de acordar e dar um milhão de dólares para estar em minha própria cama- Oh, Senhor, salve-me! ".

Serviço: Viajante Solitário, Editora L&PM, 224 páginas, R$16,00.

A L&PM também conta com mais títulos do autor. Diários de Jack Kerouac-1947/1954 é um deles. Um trecho do livro:

Segunda-feira, 23 de agosto de 1948
Quanto a mim, a base da minha vida vai ser uma fazenda em algum lugar onde vou produzir parte de minha própria comida, e, se necessário, toda ela. Um dia não vou fazer coisa alguma além de sentar embaixo de uma árvore para ver minha lavoura crescer (depois do devido trabalho, claro) – e beber vinho caseiro, e escrever romances para edificar meu espírito, e brincar com meus filhos, e relaxar, e gozar a vida, e brincar, e assoar o nariz. Eu digo que eles não merecem nada além de desprezo por isso, e a próxima coisa, claro, eles todos estarão marchando para alguma guerra aniquiladora que seus líderes corruptos começarão para manter as aparências (decência e honra) e “fechar as contas”. (...) Caguei para os russos, caguei para os americanos, caguei para todo mundo. Vou viver a vida do meu jeito “preguiçoso coisa ruim”, é isso o que eu vou fazer.”


359 páginas- R$49,00, Editora L&PM

Imprensa alternativa

Carta Maior, Carta Capital e Luís Nassif foram indicados por um júri altamente qualificado e depois votados nas respectivas categorias, como a melhor imprensa do Brasil. A eleição, de livre acesso, foi conduzida na página do Portal da Imprensa, e teve quase 20 mil votantes.
Carta Maior está em excelente companhia: Carta Capital triunfou como a melhor revista semanal de informação, com 75,01% dos votos. Veja vem num longinquo segundo lugar, com 18,69%, Época em terceiro, com 3,79% e Isto É em quarto, com 2,51%.
Como melhor blogue jornalístico, venceu outro espaço alternativo: Luis Nassif, com 65,85% dos votos, seguido de longe por Noblat, com 21,07%, Josias de Souza, 8,54%, Aron, com 3,74% e Fernando Rodrigues, com 0,80%.
Na melhor página de notícias, o IG triunfou, deixando bem para trás o Uol, vindo depois o Folha Online, o Terra e a Globo.com. O resultado completo pode ser visto em www.portalimprensa.com.br.

Coisa de louco.

O que essas quatro garotas fazem é inacreditável. Não, não é o que o noqueiro está pensando. Pra ver e rever.

Brasil

De leitor da folha de são paulo desta segundona esquisita:
"O Brasil é um país legal pra dedéu! Se você mora embaixo de uma ponte, se sua família vive do que consegue em lixões, se é miserável e vive em condições iguais às de bichos (os mais azarados, claro), tá tudo certinho e 'dentro dos conformes'. Agora, se você vai viajar de avião e o vôo atrasa, aí sim o 'bicho pega'! Rapaz, é uma comoção geral, uma indignação generalizada, parece que se você falar um 'piu' te dão bolacha na cara. Legal aqui, né? Paradoxal, mas legal."

Pé da Estrada

2007 marca os 50 anos do lançamento de On the Road, obra prima do escritor americano Jack Kerouac, guru e principal expoente da Geração Beat. O livro descreve quatro viagens do escritor através dos EUA, utilizando ônibus, caronas e trens, fazendo bico em empregos medianos, usando drogas e muito, mas muito jazz.
Ao lado de Sal Paradise (Kerouak) vai o maluco do Dean Moriarty (Neal Cassady), tarado por mulheres, por carros e pela vida.

On the Road (Pé na Estrada, no Brasil) fez a cabeça de uma geração e foi precursora do movimento hippie. Jack escreveu a obra no estilo "prosa espontânea" em três semanas, utilizando um rolo de papel de telex, para não perder tempo com a troca das páginas, sem pontuação e quase sem parágrafos.

O escritor morreu em 1969 , aos 47 anos, isolado e de costas para o movimento que ele ajudou a criar. Tio Lukas possui mais livros do cara (Subterrâneos; Viajante Solitário, Big Sur e Kerouac- uma biografia).
´
Esse é Kerouac:
"Meus planos finais: solidão eremítica nas florestas, escrever tranqüilamente na velhice."
"Sempre considerei que escrever fosse o meu dever na terra".
"Li e estudei sozinho a vida inteira. Estabeleci o recorde de falta às aulas da faculdade de Columbia para ficar no meu quarto escrevendo uma peça diária e lendo, digamos, Louis Ferdinand Céline, em vez dos 'clássicos' do curso".
"Li a vida de Jack London aos dezoito anos e, também, decidi-me tornar um aventureiro, um viajante solitário".
"Jesus era um estranho vagabundo que caminhava sobre a água".

“Eu só confio nas pessoas loucas, aquelas que são loucas pra viver, loucas para falar, loucas para serem salvas, desejosas de tudo ao mesmo tempo,que nunca bocejam ou dizem uma coisa corriqueira,mas queimam, queimam, queimam, como fabulosas velas amarelas romanas explodindo como aranhas através das estrelas".
Eu tinha 21 anos quando o li pela primeira vez, em 1983. Deu vontade de largar o pouco que tinha e também cair no mundo. Pro noqueiro saber o porquê, só lendo o livro mesmo.
"Como viagem e como literatura On the Road é uma injeção de tesão na medula, um pé na vida. Suas figuras vagabundas, ingenuinamente místicas, anti-heróis da terra de O Vento Levou, circulam em Los Angeles e Nova Iorque, mas poderiam fazê-lo em Amsterdam ou São Paulo. (...) É a falta de perspectiva, de grana, o saco cheio, que faz Sal, o personagem escritor de Kerouac, meter o pé na estrada. Poderia fazê-lo gritando "Nós pegamos o mundo pronto e não gostamos dele!".
Devidamente desbundado pela carona com Kerouac, a opção parece clara: crescer e envelhecer, ou botar o pé na estrada. (Rafa Roubicek)


24.6.07

Máfia

Do Conversa Afiada, de Paulo Henrique Amorim
Depois da crise do Vavá e do “apagão aéreo” qual será a próxima crise com que a Folha, o Estadão e o Globo tentarão derrubar o Presidente Lula ?
(Clique aqui para ver como os três órgãos de imprensa (?) se portaram na campanha presidencial de 2002)
. Hipótese 1) A cachorrinha da Dona Marisa fez cocô no gramado do Palácio do Alvorada.
. 2) O Frei Chico fez uma fezinha no jogo do bicho em São Bernardo.
. 3) O presidente Lula fez um gol com a mão na pelada da Granja do Torto.
. 4) Um compadre do presidente Lula foi apanhado num motel sem alvará na região de Subprefeitura da Sé, em São Paulo.

Futebol ariano

Por acaso passei um pano na abertura do jogo Atlético Paranaense e Palmeiras. Estádio lotado e aquela festa para receber o time paulista. Devia ter umas 30 a 40 crianças todas uniformizadas no gramado. O Palmeiras entrou em campo, rojões, fotos, a garotada abraçando os jogadores e por aí vai.
Pergunta pra mim, ó noqueiro: "Tio Lukas... entre esses meninos e meninas que foram participar da recepção do Palmeiras tinha algum negrinho ou negrinha?".
Aí eu respondo: nananina. Tinha lourinho com cabelo de corte "surfista", mas negro não tinha nenhum.

Coisa mandada

De leitor da folha de são paulo (aquela) deste domingo:
"A Folha prestaria um grande serviço à nação se esmiuçasse o sistema de arrecadação de fundos para sustento do PSDB, do PFL, do PMDB, do PPS, do PDT, do PSOL etc., a exemplo do que vem fazendo com o PT. Afinal, o sistema do PT é de conhecimento geral. E o dos demais partidos?".

23.6.07

Cargo de confiança

Hoje à tarde eu estava no bar do Tuti e apareceu o rapaz chamado César e de apelido "Estranho". Alguns o chamam também de"Esquisito" e ele atende do mesmo jeito. Foi cargo de confiança da atual administração por três meses. Carrancudo que só, tomando uma cerveja long neck, sentou-se próximo a tio Lukas que estava sossegadão tomando uma latinha e conversando com o Chiquinho, um amigo. Aí ele disse que tinha largado da mulher.
Nunca conversei com o cara e pouco o vejo, mas puxei conversa:
-A sua mulher largou de você?
-Não. Eu que larguei dela. Mas já arrumei outra. Ela tem dois carro na garage.
-Você é casado a quanto tempo?
- Não sou casado mas tô com ela faz 10 anos. Larguei. Mas acho que vou embora pra Curitiba;
-Você mora no Borba Gato?
- No Santa Rosa [bairro contíguo ao Borba Gato]. Já morei aqui mas agora não moro mais.
-E onde mora essa sua nova mulher ?- perguntei.
-Em frente do estádio do Grêmio, perto do Chico Neto.
E tio Lukas meio com medo, porque o cara é uma mala, além de ter fama de perigoso, perguntou:
-Ô véio... Você vai lá pra Curitiba ou vai morar em frente do Chico Neto ? Cê tem que escolher, carai. Com esse jeitão teu aí, cê tem que ficar esperto do rastro e não perder tempo pra arrumar a vida.
O bicho me encarou dum jeito estranho, eu virei de lado e puxei papo com o Pedrão, que havia acabado de chegar na bodega. Um cara desses ocupar cargo de confiança...
Essa Prefeitura tá muito estranha.

SNI

Que coisa... Se o noqueiro quiser enviar um comentário para o jornal O Estado de São Paulo, terá que dar o nome completo, e-mail, RG, CPF, telefone e endereço. Uma vergonha. Só falta tipo sanguíneo.

Arnaldo "vendido" Jabor

Arnaldo Jabor é um cineasta frustrado. Mamou o quanto pôde nas tetas da Embrafilme e produziu milhares de kilometros de filmes medíocres, obviamente gastando bem menos que o subsidio o que o tornou milionário e pior, o colocou no meio de artistas e gente conhecida lhe abrindo as portas da fama.
Hoje, graças ao falecido Roberto Marinho, sobrevive com uma ajuda de custo, no Jornal da Globo, em alguns impressos, e na rádio CBN, com crônicas que vão do ridículo explicito à imbecilidade aguda.Como se já não bastasse as muitas asneiras que Jabor fala em horário nobre na tela global, Arnaldo Jabor, vem fazendo declarações favoráveis à legalização da produção, comércio e consumo das drogas , por exemplo, a cannabis sativa, a popular maconha .
Aqui neste site " Marcha da maconha" e com direito a vídeo .
Arnaldo Jabor, em todo o seu "enorme conhecimento" deu uma lição de como fazer comentários da má informação. Passou a fazer apologia a droga .
Pelo que me consta é ilegal o seu uso e comercialização, no entanto faz-se vista grossa ao seu uso e até a sua apologia, acha-se cult ser maconheiro, então dane-se o código penal!. (Helena Sthephanowitz)

"Caos aéreo"

De leitor da folha de são paulo (aquela) deste sábado:
"A mídia tem dado enorme destaque às filas nos aeroportos. Está correto, há que denunciar, investigar, protestar, indignar-se. Mas como seria bom se a mesma mídia fizesse o mesmo com as filas do SUS, onde, todo dia, morrem pessoas sem atendimento ou devido a atendimento precário e insuficiente."

22.6.07

Piratas

Comprei o livro essa semana. Ele é atribuído ao capitão Charles Johnson que o escreveu por volta de 1724, período da "Era de Ouro" da pirataria. Ninguém sabe quem foi o cara, mas suas descrições sobre os atos de vandalismo e o cotidiano do piratas levam a crer que ele também tenha sido um deles. Outros creditam a obra a Daniel Defoe, autor de Robinson Crusoe (Essa hipótese foi descartada recentemente).
Veja essa passagem do livro já na introdução e que trata da pirataria durante o império romano (eles odiavam os romanos) Olha a sacanagem dos caras:
"Quando capturavam um navio, inquiriam o pessoal a bordo, perguntando seus nomes e lugares de origem. Se um deles fosse romano, curvavam-se aos seus pés, demonstrando reverência. Implorando misericórdia e pediam perdão pelo que tinha feito e passavam a se portar como se fossem seus criados.
Assim que o preso se convencesse de sua sinceridade, os piratas penduravam uma escada de corda na lateral do navio e, com muita cortesia, dizam ao romano que não o deteriam mais. Ele era um homem livre e, por isto, tinha que abandonar a companhia dos outros presos, saindo imediatamente do barco, mesmo estando em mar aberto, sem terra à vista. Caso se mostrasse supreso, surpreso e indeciso, como seria natural a qualquer um, o romano terminava jogado no mar aos gritos e gargalhadas, de tão espontânea que era a crueldade dos piratas".

Piratas- Uma História Geral dos Roubos e Crimes de Piratas Famosos tem a tradução de Eduardo San Martin. Editora Arte e Ofícios, 430 páginas, R$49,90. Pela compra na Internet entre na Livraria Saraiva.

Indiana Jones

A primeira foto da locação do novo filme da série Indiana Jones foi divulgada, com o início das filmagens do quarto filme da série do arqueólogo aventureiro.
A fotografia foi tirada pelo diretor americano Steven Spielberg, e mostra o astro do filme, Harrison Ford, usando o tradicional chapéu do personagem pela primeira vez nos últimos 18 anos.
O quarto filme da série, que conta ainda com a participação do ator britânico John Hurt, deverá estrear no dia 22 de maio de 2008."Estou encantado em estar de volta neste negócio com meus velhos amigos", disse Harrison Ford em meados deste ano. "Eu não sei se as calças ainda vão me servir, mas eu sei que o chapéu vai."
Tio Lukas tem a trilogia da série e já assistiu umas trocentas vezes cada filme. Os Caçadores da Arca Perdida é o meu preferido, mas os outros também são marcantes.

Papa Léguas

Eu du-vi-de-o-dó que alguém não goste desse desenho. Papa Léguas e Wilie E Coyote em suas eternas correrias.
Como curiosidade: o som que Papa Léguas emite (apesar de ser Beep Beep! que aparece no texto de alguns desenhos) na verdade é Mic Mic. O noqueiro mais atencioso vai perceber isso.

Sei lá...

A gente, eu e você, sempre estivemos à mercê de consertadores de eletrodomésticos. O noqueiro tem realmente certeza que a tv que deixou na eletrônica tem mesmo aquele defeito apresentado pelo técnico? Queimou realmente o capacitor externo e a saída da fonte? O que aconteceu na verdade com o rádio que parou de sintonizar FM porque fundiu a rebimboca da parafuseta? O aparelho de som foi pro beleléu porque o transístor UJH-340 que é ligado ao disjuntor, acoplado à saida do retentor estava desgastado? Será que é verdade?
Eu não vou falar o nome da empresa porque nem vale a pena e eu não quero arrumar pra cabeça. Tempos atrás o ferro de passar roupas aqui no barraco ferrou. Levei à eletrônica (fica em frente às Lojas Americanas, mas eu não quero falar o nome). Era uma porcaria de nada e cobraram 17 pilas. Recusei, uma vez que havíamos pagado uns 30 pilas no pareio uns 8 anos antes.
(A Isa comprou outro, modernão, e pagou 60 pilas)
No final do mês passado deixei um massageador para que fizessem um orçamento na empresa(que tem nome japonês, mas eu prefiro não citar). O conserto iria ficar em 106 reais.
Nós pagamos 100 (!) reais na coisa há cerca de um ano. Achei um absurdo e disse que não queria o conserto e que iria resgatá-lo no outro dia.
Mas o que eu queria dizer é o seguinte: quando a gente deixa aparelhos pra arrumar nesses lugares, não estamos passíveis de sermos lesados? O técnico- mancomunado com a loja, ou não, não estou dizendo que seja esse o caso, que eu não quero arrumar pra cabeça)- não pode retirar peças importantes e caras do aparelho e depois revender ou instalar em outros aparelhos que porventura sejam colocados para conserto?

Dasfu

Os ascensoristas do Senado apelidaram os elevadores da Casa: Daslu são os VIPs, que levam exclusivamente os senadores; Daspu são destinados aos assessores diretos dos parlamentares; e Dasfu são os que carregam o povão ou os servidores de terceiro escalão. (Mônica Bergamo)

Argentina

Curiosidades sobre nossos hermanos:
*Cinco Prêmios Nobel já foram entregues a argentinos, dois da Paz, dois de Medicina e um de Química.
*O ônibus, a caneta esferográfica, o sistema de impressão digital e o doce de leite são inventos argentinos.
*A técnica de marca-passo (ou by-pass) foi desenvolvida pelo já falecido cardiologista argentino René Favaloro.
* O automobilista argentino Juan Manuel Fangio foi o primeiro a ganhar cinco campeonatos mundiais de F1, em 1951, 1953, 1954, 1955 e 1956. Seu record só foi igualado em 2002 pelo alemão Michael Schumacher.

Plágio

A Ikea, empresa sueca de móveis e decoração que atende Europa e EUA, produziu um vídeo premiado em que pessoas aparecem como se estivessem imobilizadas. A mesma idéia pode ser vista na abertura de "Sete Pecados", feita por Hans Donner, conhecido como o "mago do design". A Globo diz: "É uma técnica usada em larga escala, desde o filme 'Matrix'. Inspiração comum, tanto para a Ikea, quanto para nossa abertura". As imagens do vídeo e da abertura foram parar no You Tube.
Clique para ver os vídeos.

21.6.07

Paraíso

Conversava com um amigo hoje e ele me questionou: "Se aqueles malucos lá do Oriente- homem-bomba, terrorista, franco-atirador e o cacete- morrem vão para o Paraíso e conseguem 72 virgens, não seria o caso das mulheres deles irem pra lá e terem 72 machos. Aquilo deve ser uma suruba danada e a terra dos cornos".
Eu dei risada. Ia falar o quê?

Interesses ocultos

Empresas estrangeiras estão aumentando o número de vôos para o Brasil. Controladores de vôo decidiram fazer operação padrão antes da greve. Segundo fontes da Aeronáutica, há mesmo uma operação padrão no Cindacta I de Brasília. Os controladores de vôo alegam que as imagens dos radares não estariam nítidas e chamam os técnicos para verificarem o que atrasa toda a operação. Os técnicos, dizem que o problema não existe. Tudo isso, depois do Democratas (DEM) e o PSDB saírem ontem em defesa da privatização do setor aéreo.
O leitor deve se lembrar que, muito antes de começar toda essa conversa do setor aéreo, o deputado Alberto Fraga (PFL- Dem- DF) promoveu um churrasco com os controladores de vôo, em 24 de setembro 2006, numa chácara em Brasília. Queria votos. Prometeu apoio logístico para os controladores em suas reivindicações salariais. Então revelou que havia um grupo internacional interessado na privatização do sistema de controle aéreo brasileiro.
Só privatizando, explicou, seria possível aumentar os salários. Pelo visto, o pessoal do aeroporto, se aliou aos democratas e tucanos e vão chantagear o governo. Melhor prevenir.
(Helena Sthephanowitz)

Tarzan

O ator americano Ron Ely completa hoje 69 anos. Um dos seriados mais legais que eu curtia na nossa Telefunken preto e branco, entre 1972 e 1975, nas tardes de sábado. Ê tempo bão!!

É um passaro? É um gavião?

A roupa de Superman usada pelo ator Christopher Reeve em Superman - O filme, rodado há quase 30 anos, em 1978, foi leiloada nesta quarta, em Londres, por € 12.500 (R$ 37,5 mil), informou a casa de leilões Bonhams.
A venda superou as expectativas, já que a expectativa era de que a roupa - um collant azul com o famoso escudo do super-herói no peito, um cinto amarelo e uma sunga e um par de botas vermelhas - fosse vendida por entre € 7.500 e € 9.000 (R$ 12,5 mil e R$ 18 mil).

20.6.07

Datalukas

Hoje de manhã eu perdi a circular e resolvi passar o tempo andando na rodoviária velha. O treco está cercado com uma fita de segurança, daquelas de plástico, preta e amarela. Sem ter o que fazer resolvi contar o número das faixinhas que enfeitam a coisa. Comecei o processo às 11h25. Fui numa livraria que fica na avenida Duque de caxias e comprei régua, papel e uma caneta.
Com a régua medi cada marca da fita. Ambas as cores, preta e amarela, têm o mesmo tamanho (8,75 cm).
Aí eu comecei a contar as cores e anotar num papel. Vejam só esse furo de reportagem:
* Cor preta da faixa: 3.109 marcas (quatro delas cagadas de pomba)
* Cor amarela da faixa: 3.013 marcas ( seis delas cagadas de pomba e uma queimada com cigarro)
Fiquei até às 13h45 para levantar esses dados mas consegui meu objetivo, que é bem informar o leitor do Casa e ser chamado de maluco por essa massa ignorante e que não sabe o que é notícia.

Datalukas

O noqueiro pode achar que é sacanagem, mas é papo sério. Tio Lukas é viciado em água mineral com gás e, sem querer fazer propaganda, prefiro a Schincarol, que é bem gaseificada. Bom... hoje de manhã, como eu não tinha o que fazer, lasquei uma dose da água numa lapiseira transparente em forma quadrada que eu ganhei de uma empresa aí num final de ano. Essas porcarias que eles dão pra gente. O formato dela permite a observação minunciosa em um dos lados.
Peguei um papel , uma caneta e um relógio velho pra cronometrar. Vão aí os dados:
*Entre 9h34 e 10h37 subiram à superfície 3.284 bolhas;
*Entre 10h40 e 11h48,1.863 bolinhas subiram à superfície da lapiseira. Note-se aí que tio Lukas estava botando reparo em apenas um dos lados da lapiseira de acrílico e já estava ficando meio tonto de tanto contar as bolhas e anotar no papel. Multiplicando por 4 (a lapiseira tem quatro lados) teríamos mais de 5 mil bolinhas de gás carbônico saindo fora dessa mistura maravilhosa que é a água com gás.
*12h25 às 14h32: A emissão de bolhas começa a diminuir. Nesse período foram apenas 437 bolhas.
* Mas a enquete não pára por ai. O noqueiro arguto já observou que as bolinhas que se elevam de um copo com água gaseificada nunca são do mesmo tamanho?
O Datalukas conferiu:
*8,32% das bolhas que se elevam (12.652) são minúsculas, e só quem não tem porra nenhuma pra fazer percebe a sua presença dentro do copo.
*72,82% da bolhas têm tamanho perceptível a um exame mais apurado de quem não tem porra nenhuma pra fazer a não ser ficar olhando pra um copo cheio de água mineral com gás e medir sua circunferência.
*0,38% das bolhas que sobem à superfície do copo (4.323 bolhas) tem um diâmetro de 0,00000023, segundo medição do Inmetro

19.6.07

Carneiros assassinos

Um filme de orçamento modesto sobre ovelhas assassinas que aterrorizam fazendeiros na Nova Zelândia tornou-se o mais bem-sucedido lançamento de terror no país.
O sucesso da produção pode ser atribuído ao fato de que na Nova Zelândia existem mais de 13 carneiros para cada habitante: são 40 milhões de carneiros para uma população de 3 milhões de pessoaas.
Em entrevista ao jornal britânico The Observer, o diretor e roteirista de Black Sheep, Jonathan King, disse que apesar da imagem "fofinha", carneiros são, na verdade, bem estranhos.
"A maioria das pessoas vê carneiros à distância, como pequenas bolas de lã na colina", disse. "Mas se você chega perto, eles são animais bem estranhos, com cabeças duras e ossudas, olhos de lagarto e patas pequenas e afiadas."
O longa também estréia nos Estados Unidos ainda em junho, e na Grã-Bretanha em agosto.
O filme conta a história de Henry Oldfield, um filho de fazendeiro que, após a morte do pai, desenvolve uma fobia por carneiros.
Anos mais tarde, Henry volta à fazenda para tentar persuadir seu irmão, Angus, a comprar sua parte na propriedade e encontra o irmão às voltas com um sinistro experimento genético em que o DNA de carneiros é misturado ao de humanos.
O resultado são carneiros que se transformam em assassinos psicóticos, ameaçando fazendeiros e o povo de uma pequena cidade no interior da Nova Zelândia.
A trama fica ainda mais complicada quando dois ambientalistas tentam descobrir o que está acontecendo.

Futebol brasileiro

Esse artigo de Ruy Castro é da edição de ontem da Folha de Sampa. Muito interessante e bem o meu o meu pensamento.

De 1958 a 1982, o Brasil teve um caso de amor com sua seleção de futebol. E ela fazia por onde: venceu três Copas do Mundo, jogou partidas inesquecíveis no Maracanã e no Morumbi e consagrou três gerações de jogadores. Havia mais craques na praça do que vagas no time, e nada superava a honra de uma convocação.
Fora da seleção, esses jogadores entravam em campo todos os domingos por seus clubes -nossos clubes. Podiam ser amados ou odiados no fragor doméstico, mas, no que vestiam a camisa amarela, cessava o vodu. A seleção tinha até torcedores próprios, e não apenas entre os que só se ligam em futebol na Copa por um vago ardor patriótico. Mas isso acabou. A seleção é, há muito, um feudo de jogadores que atuam no exterior, defendendo camisas com as quais nada temos a ver. Por vários motivos, também não a assistimos em nossos estádios -há sete anos, por exemplo, ela não joga no Rio. E, como aconteceu na última Copa, a seleção, convocada na Europa, não veio ao Brasil nem para pedir a bênção do povo que representava. Deu no que deu.
As razões são muitas, mas o fato é que a seleção se divorciou do povo. Não é mais o Brasil. Reduziu-se a uma legião estrangeira que, mecanicamente, canta o hino antes do jogo. Ex-ídolos nacionais como Kaká, Ronaldinho Gaúcho e Robinho preferem jogar por seus milionários clubes a jogar pela seleção. E estão certos: só quem vai à Europa sabe o que eles representam em paixão para os torcedores desses times. São deuses em suas cidades.
Vem aí uma opaca Copa América. Os craques a desprezam e a torcida brasileira, com razão, também não está nem aí. Qualquer campeonato local envolvendo o Arapiraca, o Botucatu ou o Cascavel será mais emocionante, se um desses for o nosso clube de coração. A camisa precisa estar perto do peito

18.6.07

Entrando pelo cannes

O Casa não é disso. Aliás, o Casa não é pra nada, mas a gente vai repetir pra fixar a mensagem: Está sendo realizado o Festival de Vídeos Publicitários de Cannes 2007, na Riviera Francesa. As empresas aéreas estão comendo bronha e passageiros estão apenas com a roupa do corpo em aeroportos daquele país, considerado de primeiro mundo e chique no último. As bagagens foram desviadas e a situação está um pequeno caos. Vamos ver como a mídia brasileira vai tratar o assunto.

Caos aéreo francês.

Muitos participantes que voaram para a cidade de Cannes, na Riviera Francesa, a fim de acompanhar o Festival de Publicidade 2007 , tiveram suas bagagens desviadas e desaparecidas nos aeroportos franceses. Muitos estão apenas com a roupa do corpo. Nesse ano serão 26 mil comerciais exibidos no festival. É gente pra caçamba sendo lesada num país tido como de primeiro mundo.
Vamos ver como a imprensa brasileira vai abordar o assunto nos telejornais de hoje e em edições impressas na terça-feira.

171

Do deputado Fernando Gabeira sobre a possível cassação de Renan Calheiros "Ou vence um grupo de trambiqueiros ou vence um país chamado Brasil. Se não, vamos mudar o nome pra Unseteunlândia".

Símbolo nacional

O Congresso deve votar nesta quarta-feira a substituição do lema Ordem e Progresso, inscrito na bandeira brasileira, para a frase Relaxa e Goza.

17.6.07

Viagem ao Norte do Brasil

"(...) devereis levar açúcar, uma porção de ruibarbo muito fino (...) Devem essas caixas ser feitas de ferro branco. As mercadorias pelas quais dos índios obtereis em troca víveres e outros gêneros do país, para servi-vos e cultivar vossas roças, são as seguintes: facas de cabo de pau, de que usam os magarefes [açougueiro], e muito apetecidas pelos selvagens, muitas tesouras de bolsa de couro, muitos pentes, contas de vidro verde-gaio, a que chamam miçangas, foices, machados, podões, chapéus de pouco valor, fraques, camisolas, calções de adelos, espadas velhas e arcabuzes de pouco preço.
Dão muito apreço a tudo isto, e assim terei escravos e bons gêneros.
Não esqueçais também panos verdes-gaios e vermelhos de pouco valor, porque não fazem grande diferença dos estofos, rosetas, assobios, campainhas, anéis de cobre dourados, anzóis, alicates de latão chatos (...)
Assim bem providos destes gêneros, não duvideis de serdes bem-vindos (...)"

Tio Lukas está lendo esse livro (Viagem ao Norte do Brasil) escrito entre 1613 e 1614. Esse trecho está na página 240. E sabem quem escreveu o livro? Um padre francês, Yves D'Evreux, que veio em uma expedição colonizadora.
Aí o noqueiro pergunta: se um padre tem esse pensamento, em quem a gente pode botar fé?

Ranguinho

O Bulga é um cineasta na pele de grande jornalista. Essa cenas ele registrou no meu barraco.Foi uma noite linda.A trilha sonora é coisa que dispensa comentários.

Churrasco à moda do Lukas

Tio Lukas, Isa; Bulgarelli, Ana; Andie Iore, Mônica; Jonathan e Ludmila. Noite gostosa que vai se perder no tempo. Mas foi legal e valeu o momento.

Aaahhhhhh!

O noqueiro já relaxou e gozou nesse final de semana?

16.6.07

Baixaria no Casa

A gente ia colocar o vídeo, mas, como a coisa é muita feia, fica aí o link. Um homem-bomba que não deu certo. Se transformou em meio terrorista e vai ter apenas 36 virgens ao invés de 72 lá no paraíso. Clica aí, por sua própria conta e engulhos.
http://www.liveleak.com/view?i=7fc_1181665828

Segurança

Olhaí uma lei que deveria ser adotada em todo o país:
Para efetuar compras com cartões de débito ou crédito, consumidores do Rio Grande do Sul agora devem apresentar documento para identificação e assinar faturas, boletos ou extratos dos pagamentos. As determinações fazem parte de uma lei aprovada em plenário na Assembléia Legislativa por 30 votos a 12 no dia 15 de maio e publicada no "Diário Oficial" na última terça-feira.
Tio Lukas já fez compras com o cartão da esposa e nunca ninguém reparou. O Fantástico (agh) fez uma matéria com câmera escondida há cerca de seis anos mostrando que as lojas não estão nem aí pra verificar o verdadeiro dono do cartão. Teve o caso de um negro com nome de japonês no documento. Levou o que quis e a vendedora nem aí.

Gozação

De leitor da Folha de Sampa de hoje: "Filosofia Marta Suplicy: relaxem e gozem. Depois abortem."

15.6.07

Na rua

ATO PÚBLICO CONTRA AS DEMISSÕES DOS 28 SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARINGÁ.
A partir das 10:30 horas da manhã desse sábado será realizado um ato público contra as demissões dos 28 servidores municipais. O ato está sendo organizado pelo SISMMAR e os trabalhadores demitidos. Haverá exposição de faixas nos semáforos da área central de Maringá. Também será distribuída uma carta aberta à população denunciando as injustiças cometidas pelo prefeito no processo de exoneração desses servidores.

Blog

Maior porcaria meu computador. Desde às 3:18 da manhã tento postar umas coisas aí e não consigo. As mensagens se repetem, outras não entram, tenho que deletar as duas pra apenas uma entrar. Maior zona. Quando apagp uma das duas, ambas somem e tenho que escrever novamente.
Sei lá. Tá dando desgosto

14.6.07

Força, galera

Será que eles queriam a raiz pra colocar na cachaça?

Irmão

"Amigo a gente escolhe, irmão não". (Confúcio)

Vacinamento

Sábado tem campanha de vacinação. Crianças de até cinco anos devem ser levadas a um posto de saúde para receber duas gotinhas de vacina contra a paralisia infantil. O Brasil não apresenta casos da doença desde 1989, mas, como ela continua existindo na África e na Ásia, é necessário continuar com as campanhas, ou a pólio poderá reaparecer, trazida por algum viajante contaminado.

Fui!

A seleção de futebol júnior do Haiti desapareceu durante a escala da equipe de um dia em Nova York a caminho da Coréia do Sul, onde treinariam para o mundial da categoria. Aparentemente, 17 dos 18 jogadores desertaram entre a noite de anteontem e a manhã de ontem no aeroporto da cidade.
O consulado do Haiti afirmou que está fazendo contatos com a comunidade haitiana local, mas ainda não há notícias sobre o paradeiro da equipe.Todos os dias, centenas de haitianos tentam deixar a pobreza da ilha caribenha em direção aos EUA -principalmente por mar. (Folha)

Exposição indecente

O conselho de uma cidade do Estado da Louisiana, nos EUA, aprovou um regulamento declarando que calças de cintura baixíssima são "indecentes". Segundo a lei de exposição indecente, alguém detido em Delcambre por vestir calças que revelam a parte superior das nádegas poderia ser encarcerado por até seis meses com multa de US$ 500.
Embora as calças largas tenham uma popularidade maior na cultura hip-hop, o prefeito da cidade, Carol Broussard, negou que o regulamento tenha motivação racial. "Os brancos também usam calças de cintura baixa", assegurou. (Folha)

13.6.07

Eu também faço isso aí

Como o cara faz isso isso eu tô por fora. Habilidade ou trucagem? De qualquer forma vale também pela música, a criança e os cachorros passando lá ao fundo.

Anjo da guarda

O Jornal da Tarde faz enquete entre os Internautas: Você acredita na existência de anjo da guarda?
Sim, mas nunca senti sua ajuda : 8.52%
Não, isso não passa de crendice popular : 7.96%
Sim, já senti sua presença em situações difíceis : 81.39%
Não, eu só acredito naquilo que posso ver : 2.13%
Eu já percebi algumas coisas estranhas. Não sei se é anjo da guarda, mas vou contar essa.
Há três anos eu voltei de um bate-papo que durou o dia inteiro com crianças de um colégio de Sarandi. Uma escola bem deficitária e localizada em um bairro idem. Fiz palestrinha e brincadeiras com as crianças na parte da manhã. Brinquei no "recreio" com elas e comi da merenda (macarrão com carne moída- uma delícia).
Na parte da tarde foi a mesma coisa e uma professora me deu carona até Maringá e me deixou no posto de gasolina. Tomei uma cerveja e fui pra casa, quatro quadras dali. Eram sete da noite, inverno, mês de julho e um frio danado. Fiquei pensando naquelas criancinhas, parei na esquina de casa e pedi pra Deus :" Não me dá nada que não seja saúde pra eu poder fazer mais vezes o que fiz hoje. O pouquinho que eu levei praquelas criancinhas fez um bem danado pra elas e mais ainda pra mim. Me dê saúde. Só isso que eu quero".
Pensando nisso, olhei pro céu e, nesse exato momento, uma estrela cadente zarpou e passou lá no alto, bem em cima da minha casa!! É verdade. Eu fiquei paralisado e comecei a chorar. Chegando em casa a Isa disse que eu estava branco e notou meus olhos lacrimejantes. Contei a ela o ocorrido e disse que foi uma coincidência.
" Coincidência nada- falou- Isso é coisa de Deus."
Na minha eterna dúvida, ainda aposto num anjo da guarda, que nos protege e orienta. Vai saber se depois que a gente se for não seremos um deles. Já pensou que trabalho mais glorioso?

Royksopp

Salvo engano essa banda é norueguesa. Não consegui achar a versão original da música. O clip é muito bem bolado.

Parece piada

Dois chineses foram presos por contratarem um cego para projetar uma ponte que ruiu durante a construção, ferindo 12 trabalhadores, informou a imprensa local nesta terça-feira.
De acordo com a agência de notícias Xinhua, uma corte da Província de Jianxi (sul) condenou Huang Wenge, prefeito de uma vila do Condado de Xiushui, a 18 meses de cadeia, e o líder de um partido local, Xia Jiazhong, a 12 meses de prisão.
Segundo a Xinhua, em novembro de 2006 ambos contrataram um empreiteiro para a construção de uma ponte. Posteriormente, este transferiu a responsabilidade da obra a um segundo empreiteiro, Xia Huaqing, que é cego.
Huaqing sugeriu mudanças no projeto da ponte e, de acordo com a agência chinesa, ambos aprovaram as sugestões sem consultar autoridades superiores.
O novo design foi usado na ponte, que veio abaixo durante a obra, de acordo com a Xinhua.

12.6.07

Buggles ao vivo

Nunca imaginei que o duo Buggles fosse tão longe. Essa é uma apresentação de 2004, com direito a prícipe Charles e tudo. Video Killed the Radio Star (1979)resistiu ao tempo por ter uma letra bastante melancólica e nostálgica.

Meus estudos

Tio Lukas foi um tremendo matador de aulas entre os 13 e 20 anos. Por três vezes repeti por falta no Gastão Vidigal e depois no Colégio Paraná. Em 1973 comecei a fazer Desenho Arquitetônico no Gastão mas não tínhamos dinheiro pra comprar os materiais (caneta nanquim e outros materiais). Na verdade minha família não tinha dinheiro pra comprar o que comer. Daí eu fui ficando com vergonha de frequentar as aulas, o único sem o material de estudo, o professor perguntando dele, e aquelas meninas tão bonitas, todo o mundo desenhando e eu enrolando com meu lápis, fazendo esboços.
Daí que eu saia de casa à uma da tarde e passava no consultório de um dentista (Shudo Yassunaga) que ficava na avenida São Paulo. Entrava e, como, não tinha secretária na frente, eu emborcarva um monte de revistas, colocava na bolsa e ia pro Parque do Ingá. Aí eu me sentava em baixo de uma árvore e lia tudo que podia. Lá por 4 e meia eu escrevia umas baboseiras de matemática numa página do caderno porque minha mãe às vezes pegava pra ver como eu estava indo com as matérias (Pobre dona Zica). No caminho eu jogava as revistas fora pra não dar bandeira.
Aí eu reprovei depois de quatro meses sem ir ao colégio. E quando eu não passava no consultório do dentista eu ia na biblioteca que ficava na esquina da Duque com a 15 de Novembro. Ficava das 2 até 5 horas lendo.
No ano seguinte me matriculei em curso maluco lá que tinha 4 matérias que envolvia matemática. Fui pro bosque novamente. Lia a não poder mais. E biblioteca. Gozado que nunca ninguém da biblio me questionou sobre minha presença quase diária no recinto. E eu lia, e lia, e lia.Sério que não me arrependo nem um pouco de ter feito isso. Onde eu iria usar tabela periódica, expressão de segundo grau e saber o valor de X ?
Vem pra mim Victor Hugo, Júlio Verne, Ferenc Molnar e Josué de Castro. Olá, como vai, meu grande amigo Émile Zol?. Como passou de ontem meu caro Cervantes, aí nessa estante fria e cheia de mofo. Vamos conversar mais um pouco hoje, Dumas. Eu tô louco pra você terminar essa conversa logo porque o Kafka tá me esperando pra daqui alguns dias. Ah, Metamorfose, ah, O Processo...me aguardem aí enquanto o povo tá lá no Gastão aprendendo o que é raiz quadrada. Eu vou pegar vocês, fiquem tranquilos e me aguardem aí, nesses cantinhos escuros e sebosos. Ah, como eu amo vocês.
E assim foi mais um ano letivo pro espaço, pra cucuias, pra casa do c...
1980 (ano que estudei com Zé Rigon) foi mais um ano perdido em matéria de aprendizagem. Toca eu indo pra biblioteca porque no consultório do dentista eu já tinha medo de passar. Minha mana pagava meus estudo no Colégio Paraná nesse período. Quando ficaram sabendo que eu havia reprovado novamente por faltas foi a maior comoção no barraco. Levei safanão da irmã.
A vergonha foi tanta que eu quase nem queria partilhar da comida que a mãe fazia. Tinha dia que eu não almoçava ou jantava pois me sentia um parasita e uma decepção pra família.
Mas, no final, tudo terminou bem. Ou será que não?

Marketing enganoso

Astrônomos amadores descobriram que o asteróide 2-Pallas teve sua órbita alterada e segundo os últimos cálculos está em rota de colisão com a Terra. Os principais centros espaciais do mundo ainda não se pronunciaram, mas já existe uma grande mobilização na comunidade científica e militar.
O impacto poderá trazer grandes conseqüências, levando em conta a extensão do asteróide, considerada a segunda maior do cinturão que vai de Marte a Júpiter. A colisão deverá acontecer na primeira quinzena de julho de 2007. Logo, deveremos ter novas notícias das autoridades competentes, que por enquanto evitam comentar o fato para não gerar um descontrole generalizado na população mundial.

Viu isso? Essa informação é texto de uma peça publicitária da Peugeot-Citröen,
que deve lançar o automóvel Pallas no início de julho desse ano. Muita gente engoliu a notícia e reproduziu em blogs e sits pela internet. A mensagem de que se tratava de informe publicitário aparecia de forma diminuta no final do texto. No mundo real, não há a menor chance de que o 2 Pallas venha a colidir com a Terra.
Sua localização longínqua, no cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter, torna muito difícil que algum cataclismo o desvie para a nossa vizinhança. Para se ter uma idéia, o asteróide está a 415 milhões de quilômetros do Sol, enquanto a Terra está a “apenas” 150 milhões de quilômetros dessa estrela.
A propaganda foi retirada da rede. Um carro que vai ser lançado e servirá para matar várias pessoas em acidentes no mundo todo já chega apavorando as pessoas com uma notícia falsa.

Video Killed

Esse trio ressuscita Video Killed the Radio Star, do Buggles, sucesso no início dos 80. A voz da menina é uma lástima, mas no geral é muito bacaninha.

Yo, si, puedo

A imprensa brasileira não noticia essas coisas. A Folha de São Paulo, por exemplo, não deu uma linha sobre o fato.

Bairro 23 de Janeiro, periferia de Caracas. Quem entra na casa de Sinforoza das Mercedes, construída em uma das ladeiras do morro, imediatamente se depara com um diploma envolto em uma moldura de vidro preso à parede. Essa venezuelana de 63 anos não é médica, tampouco advogada. O diploma, exibido com orgulho, mostra que nesta casa, há menos de dois anos, havia uma analfabeta.
Sinforoza é uma das milhares de venezuelanas alfabetizadas entre julho de 2003 e outubro de 2005. A epopéia, disse o presidente Hugo Chávez, permitiu ao país ser declarado território livre de analfabetismo pela Organização da Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). A receita para erradicar o flagelo foi definir educação como prioridade de Estado, associar conhecimento acadêmico com sabedoria popular, e solidariedade interna e externa.
A Missão Robinson, programa que erradicou o analfabetismo, teve início em julho de 2003, baseado no método “Yo, sí, puedo”, desenvolvido pelo Instituto Pedagógico Latino- Americano de Cuba, adaptado ao contexto venezuelano.
Entre os alfabetizados incluem-se 70 mil indígenas que receberam educação bilingüe. Os deficientes visuais e auditivos e a população carcerária também foram incluídos no programa.

Mamão

Madrugada insone e vai eu abrir o Outlook. Tinha oito novas mensagens. Uma delas entitulada As Maravilhas do Mamão, falando das propriedade do fruto. Que massa. Duas e quinze da manhã e eu lendo sobre as maravilhas do mamão, que alguém achou que poderia me ser muito útil.
Vou comer mamão e já volto. Fica aí.

Caderninho

O noqueiro lembra daqueles cadernos de recordação que a gente respondia para os amigos? Ia do nome completo, prato preferido até a "grande paixão". Isso era moda nos anos 70 e depois caiu em desuso. Não é que eu respondi um essa semana? É do amigo Leonel Lopes e eu fui o enquetado de número 35. Esse povo não tem o que fazer. Até se eu aprecio "chuva dourada" foi perguntado. Tô fora. Êêêê, Léo!

Direitos humanos

É quase certo que isso aqui é invenção e se trata de mais uma "lenda urbana", mas, não deixa de ter sentido:
CARTA ENVIADA DE UMA MÃE PARA OUTRA MÃE EM SÃO PAULO.
Hoje vi seu enérgico protesto diante das câmeras de televisão contra a transferência do seu filho, menor infrator, das dependências da FEBEM emSão Paulo para outra dependência da FEBEM no interior do Estado.
Vi você se queixando da distância que agora a separa do seu filho, das dificuldades e dasdespesas que passou a ter para visitá-lo, bem como de outros inconvenientes decorrentes daquela transferência. Vi também toda a cobertura que a mídia deu para o fato, assim como vi que não só você, mas igualmente outras mães na mesma situação, contam com o apoiode comissões, pastorais, órgãos e entidades de defesa de direitos humanos.Eu também sou mãe e bem posso compreender o seu protesto. Quero com ele fazer coro.
Enorme é a distância que me separa do meu filho. Trabalhando e ganhando pouco, idênticassão as dificuldades e as despesas que tenho para visitá-lo. Com muito sacrifício, só posso fazê-lo aos domingos porque labuto, inclusive aos sábados, para auxiliar no sustento e educação do resto da família. Felizmente conto com o meu companheiro, que desempenha importante>>papel de amigo e conselheiro espiritual.
Se você ainda não sabe, sou a mãe daquele jovem que o seu filho matou estupidamente num assaltoa uma videolocadora, onde ele, meu filho, trabalhava durante o dia para pagar os estudos à noite.No próximo domingo, quando você estiver se abraçando, beijando e fazendo carícias no seu filho, eu estarei visitando o meu e depositando flores no seu humilde túmulo, num cemitério da periferia de São Paulo...
Ah! Ia me esquecendo: _ e também ganhando pouco e sustentando a casa, pode ficar tranquila, viu?Que eu estarei pagando de novo, o colchão que seu querido filho queimou lá na última rebelião da Febem.Circule este manifesto! Talvez a gente consiga acabar com esta inversão de valores que assola o Brasil!DIREITOS HUMANOS SÃO PARA HUMANOS DIREITOS!E não para proteger ladrões, assasinos, maconheiros e vagabundos.

11.6.07

Gênio

Chegou o volume 25 de O Melhor da Disney- As Obras Completas de Carl Barks. Nesse número uma das história, escrita e desenhada pelo "Homem dos Patos" em 1948, leva Donald e sobrinhos a resgatarem um navio afundado utilizando bolinhas de pingue-pongue. O navio flutua e Donald recebe o pagamento de Tio Patinhas (Mas se ferra no final por ter gasto o dobro do pagamento em bolinhas).
Bom... olhem só: a história estimulou o dinamarquês Karl Kroyer a tentar algo parecido em 1964. Usando espuma de poliestireno, ele fez flutuar uma fragata afundada. Kroyer bem que tentou, mas não conseguiu patentear o processo. Os juízes de seu país- onde a obra de Barks sempre foi muito popular- justificaram a recusa alegando que uma "descrição preliminar" já havia sido publicada. A revista Popular Science em sua edição de abril de 1965 comenta o caso.Assim como Verne e Hergé, Barks era um visionário. Que Deus os tenha.

Bichos

Postei o texto da entrevista com um dos matadores do estudante mas não havia lido. Li há pouco, com calma. Deu nojo do cara. Tio Lukas é contra toda forma de violência, mas fiquei me imaginando na pele do rapaz assassinado. Eu sou bom nisso, esse lance de imaginar. Meus olhos ficaram rasos d'água, de medo e consternação diante de uma situação dessa. Tadindo do menino. Pensem no pânico pelo qual ele passou. Ofereceu tudo o que estava ao seu alcance, já, talvez, sabendo que seu fim estava próximo. Eu me imaginei indo em direção ao carro, pensando em chegar em casa, deitar na minha cama, já planejando o que faria no dia seguinte (quantas vezes eu não fiz isso).
Nesse tempo todo eu me punha num pesadelo. Talvez seja isso que tenha passado pela cabeça dele: "Isso não pode estar acontecendo. Comigo não. É um sonho. Ninguém seria capaz de tamanha atrocidade. Matar uma pessoa a sangue frio dessa maneira é irreal, mas eu sei que eles irão fazer isso. Adeus pai, adeus mãe, adeus sol e lua e amigos e amores e meus bichos de estimação".
Me desculpe o noqueiro, mas pra mim isso não é gente. É bicho. Pior que bicho.

Selvageria

Roberto Silva, repórter de O Diário, mesmo de férias, foi lá e conversou com os assassinos de Tiago Franchini.
(...) A reportagem de O DIÁRIO acompanhou o trabalho da Polícia Civil e ouviu os acusados logo após a chegada deles na delegacia. Sem demonstrar nenhum traço de arrependimento, a dupla tentou justificar o assassinato alegando que estava “noiada” (entorpecida pelo uso excessivo por crack) quando decidiu executar o estudante, mesmo com a vítima implorando para não ser morta. O chefe da Seção de Furtos e Roubos, investigador João Osmar Evarini confirmou que o adolescente estava completamente dopado quando foi apreendido. “Ele passou a noite de sexta-feira, madrugada e manhã de sábado fumando crack sem parar”, disse o investigador. “É verdade. Fumei um monte”, confessou o garoto. Acompanhe os principais trechos da entrevista:

O Diário do Norte do Paraná: De quem foi a idéia de assaltar o estudante?
Edmárcio da Penha Silva: Foi nossa. Fomos num bar que tem perto da boate por volta das 10 horas da noite e ficamos lá, tomando cerveja, esperando alguém dar mole. Depois de um tempo a gente se escondeu atrás do Golf e ficamos lá, fingindo que era flanelinha. A gente queria alguém que tivesse sozinho.
Como vocês abordaram o estudante? Ele veio andando em direção do carro e assim que ele acionou o alarme a gente enquadrou (rendeu). Eu disse que era um assalto e ele assustou, tentou gritar. Coloquei a mão na boca dele e encostei a arma nas costas. Ele ficou quieto e nos empurramos ele pra dentro do carro. Eu (Edmárcio) fui atrás e ele (adolescente) foi do lado, com o cano encostado na cabeça dele.
Por que vocês dispararam contra a boate quando estavam saindo? Sei lá...acho que ele (adolescente) tava noiado (drogado) demais. Certeza que foi por isso. (a polícia desmente e diz que o adolescente teria tentado matar um dos seguranças da casa).
A vítima conversou com vocês durante o trajeto até a rodovia? Conversou...ele pedia pra gente não fazer nada com ele. Chegou a pedir pra gente ir até a casa dele pra buscar dinheiro. Disse que a mãe dele ia arrumar dinheiro, mas a gente não quis arriscar. O Tiago estava com medo?Tava...pedia pra gente não matar ele...pra não fazer nada com ele, que ele não ia reagir...(silêncio)...
Por que vocês não atenderam os apelos dele? Sei lá...depois da gente rodar por um tempo, ele (o adolescente) mandou o rapaz contornar o carro na pista e parar no acostamento. Depois, mandou ele (Tiago) descer e disparou um tiro na cabeça dele, pelas costas... (silêncio)....depois ele me deu o revólver e falou: “termina o serviço”....eu terminei...dei mais dois tiros....(silêncio)...
Como você explica tanta crueldade?Sei lá...não sei....não sei...aconteceu, né?...não dá pra entender...acho que é a droga...a gente tava drogado (sic).
Se você pudesse se encontrar com os pais do Tiago o que você falaria para eles?Pediria desculpa...desculpa...só isso... (silêncio).
A polícia diz que você (Edmárcio) já matou uma pessoa e feriu outras duas gravemente a tiros. É verdade? Você mata fácil? Não é que mata fácil...era tudo vagabundo, tudo pilantra...todos eles me ameaçaram.
E você? - (pergunta dirigida ao adolescente) – Já atirou em alguém?Já dei tiro na rua...mas não acertei ninguém... um dia roubei o tênis de um moleque e dei uns tiros pro alto...só isso...quer dizer, teve mais esse caso do rapaz que morreu...só isso...
É verdade que depois de matar o estudante você foi fumar crack? É verdade..fumei um monte. Tenho um amigo que comprou umas pedras e a gente passou a noite toda fumando, até amanhecer. A gente é viciado...se tiver a gente fuma.
(Wnet)

Concessões

No total de concessões de empresas de comunicação que se encerram em 2007 estão 28 canais de tv, 80 emissoras de FM e 73 de AM. No dia 15 de junho,sexta-feira, vence a outorga da rádio Maringá FM.
Globo, Bandeirantes e Record, Fundação Padre Anchieta e Fundação Casper Libero têm suas outorgas vencidas em 5 de outubro desse ano.

RCTV e mídia

A grande mídia é igual aos corruptos

Só com sangue de barata é possível aceitar passivamente a cobertura da grande imprensa à cassação da licença da emissora de televisão venezuelana de RCTV. Em mim produz a mesma repulsa que a corrupção nas instituições políticas. Aceitar que uma rede de TV como a CNN use imagens de um antigo protesto no México como se fossem na Venezuela é tão criminoso quanto o ato em si. Como pode essa imprensa ainda existir?
Não entendo a falta de revolta dos jornalistas.
É alienação ou conivência? Para um jornalista, é vergonhoso em qualquer dos dois casos. Não há nada verdadeiro no noticiário sobre a Venezuela, a não ser um ódio incompreensível por Hugo Chávez. Talvez um ódio de solidariedade com o irmão americano W. Bush, eterno merecedor do escárnio de Chávez como de qualquer outro cidadão razoavelmente informado, tal e qual deve ser todo jornalista.
Porque se trata de mentir descaradamente para o público, negar-lhe informações importantes para julgar. Essa mentira foi desmascarada por vários blogues e pela imprensa alternativa. Está em todos os lugares. Em Londres, saiu um manifesto de apoio a Chávez, assinado por intelectuais, escritores, etc.
Chávez cassou legalmente uma concessão pública porque o detentor dessa concessão nada mais é do que o sujeito que tentou aplicar-lhe um golpe de estado e chegou até a declarar-se presidente. Só isso. Então, não é Chávez o golpista, mas esse magnata da comunicação. E o fez com base na lei – ou seja, quando o prazo da concessão pública expirou.
O pior é que ainda temos de ouvir alguns cretinos a dizer que as ideologias acabaram, só existem na cabeça de dinossauros como eu. Essa guerra pela informação tem alguma outra justificativa senão a luta de classes. A ascensão da esquerda na América do Sul precisa ser barrada, essa é a razão. Vão fazer de tudo para varrê-la do mapa, com a ajuda da grande imprensa.
Por isso eu digo, parem com as drogas. Deixem de ler a Veja, a Falha, o Estrago, o Globo e seu similares. A melhor informação não está nesses veículos. Se é para ler e ouvir mentiras, é melhor que seja de graça. Só o leitor tem o poder de virar do avesso essa mídia brasileira ordinária.
(Blog da Helena)

A rapadura é doce mas não é mole

Uma descrição de como é feito o corte da cana de açúcar, de um estudo de Francisco Alves, da Pastoral do Migrante:

(...)No corte, especificamente, o trabalhador abraça um feixe de cana (contendo entre cinco e dez canas) e curva-se para cortar a base da cana. O corte da base tem que ser feito bem rente ao chão, porque é no pé da cana que se concentra a sacarose. O corte rente ao chão não pode atingir a raiz para não prejudicar a rebrota. Depois de cortadas todas as canas do feixe o trabalhador corta o palmito, isto é a parte de cima da cana, onde estão as folhas verdes, que são jogadas ao solo. Em algumas usinas é permitido aos trabalhadores o corte do palmito no chão, na fileira do meio, onde os feixes são amontoados.
Neste caso, além de cortar o palmito o trabalhador tem que realizar um movimento com os pés, para separar as pontas das canas amontoadas na linha central. Em algumas usinas as canas amontoadas na fileira central devem ser dispostas em montes, que distam um metro um do outro, em outras usinas é permitido ao trabalhador fazer uma esteira de canas amontoadas sem a necessidade dos montes.
Com isto, fica claro que a quantidade cortada por dia por trabalhador depende mais, para ganhar mais, e de sua força física e habilidade para execução da atividade.
Eu comparo o cortador de cana a um corredor fundista, porque os trabalhadores com maior produtividade não são necessariamente os que têm maior massa muscular, são os que têm maior resistência física para a realização de uma atividade repetitiva e exaustiva, realizada a céu aberto, sob o sol, na presença de fuligem, poeira e fumaça, em alguns casos, e por um período que varia entre 8 a 12 horas de trabalho diário.
Um trabalhador que corte 6 toneladas de cana, num talhão de 200 meteos de comprimento, por 8,5 metros de largura, caminha, durante o dia uma distância de aproximadamente 4.400 metros, despende aproximadamente 50 golpes com o podão para cortar um feixe de cana, o que equivale a 183.150 golpes no dia (considerando uma cana em pé, não caída e não enrolada e que tenha uma densidade de 5 a 10 canas a cada 30cm.)
Além de andar e golpear a cana, o trabalhador tem que, a cada 30cm, se abaixar e se torcer para abraçar e golpear a cana bem rente ao solo e levantar-se para golpeá-la em cima. Além disto, ele ainda amontoa vários feixes de cana cortados em uma linha e os transporta até a linha central. Isto significa que ele não apenas anda 4.400 metros por dia, mas transporta, em seus braços, 6 toneladas de cana, com um peso equivalente a 15 Kg, a uma distância que varia de 1,5 a 3 metros.
Além de todo este dispêndio de energia andando, golpeando, contorcendo-se, flexionando-se e carregando peso, o trabalhador sob o sol utiliza uma vestimenta composta de botina com biqueira de aço, perneiras de couro até o joelho, calças de brim, camisa de manga comprida com mangote, também de brim, luvas de raspa de couro, lenço no rosto e pescoço e chapéu, ou boné.
Este dispêndio de energia sob o sol, com esta vestimenta, leva a que os trabalhadores suem abundantemente e percam muita água e junto com o suor perdem sais minerais e a perda de água e sais minerais leva a desidratação e a freqüente ocorrência de câimbras. As câimbras começam, em geral, pelas mãos e pés, avançam pelas pernas e chegam no tórax, o que provoca fortes dores e convulsões, que fazem pensar que o trabalhador esteja tendo um ataque nervoso. Para conter as cãimbras e a desidratação, algumas usinas já levam para o campo e ministram aos trabalhadores soro fisiológico e, em alguns casos suplementos energéticos, para reposição de sais minerais.