15.9.10

Sem cobrador

O governo de São Paulo montou um grupo para analisar "a necessidade da existência de cobrador" nos ônibus metropolitanos.
A medida é vista por líderes sindicais como ameaça à presença dos cobradores nos coletivos que fazem trajetos urbanos intermunicipais.
"A ausência do cobrador dificulta a vida do motorista, que precisa manipular dinheiro. Isso provoca atrasos. E onde ele foi tirado não teve redução de tarifa", diz um lider sindical.

3 comentários:

Wilson Alves disse...

EDITORIAL DA FOLHA DE SÃO PAULO:
“Está errado o povo? A resposta a essa pergunta será dada em algum momento, no futuro. De pronto, a explicação que ocorre é a de que, talvez, o povo de Lula seja constituído de consumidores, não de cidadãos”.

Desculpem Lukas e Noqueiros se aparentemente "furei" a pauta, maaaaas não pude deixar de mostrar tal afronta ao povo brasileiro.
É necessário COBRAR desse jornal que foi colaborador da ditadura militar e hoje insinua o golpe em seu editorial.

Ivan disse...

Lukas, constantemente nos deparamos com situações conflitantes. Ao mesmo tempo em que queremos empregos e ocupações dignas para todos, também queremos facilidades que as tecnologias nos propiciam.
Nos grandes centros os assaltos a ônibus são uma constante e sempre colocam em risco cobradores e passageiros. Pior que não se ter cobradores em ônibus, é não se ter atendentes de telefones. Contudo, é preciso pensar nas necessidades de usuários esporádicos que precisam se deslocar em trechos onde inexiste vendedor de passagens e esse fato sobrecarrega os motoristas.

Walter disse...

Os assaltos a ônibus acontecem por que a polícia é ineficiente.

Usar isso como desculpa pra mandar cobrador embora é sacanagem.