19.7.10

Maconha no trânsito

Ontem morreu a 64ª vítima do trânsito maringaense, uma garotinha de 3 anos. O rapaz que provocou o acidente fez o teste do bafômetro. Com o resultado negativo, foi liberado pela pólicia. Nem vou cogitar o que o levou a colidir com um mundaréu de carros e motos. Um simples espirro inesperado ou uma bituca de cigarro que cai no colo do motorista pode provocar acidentes.
Problema (e, repito, não deve ser o caso) é que o bafômetro não acusa outro tipo de droga no organismo das pessoas envolvidas em acidentes. Antes que alguém diga o contrário, pesquisei o assunto em alguns sites especializados.
Um tapão na macaca, uma fungada exagerada, provocam, queiram ou não, queda dos reflexos e perda considerável da realidade . Pisa-se em ovos, cria-se um "universo paralelo", viaja-se. Oh, yeah!.
Na adolescência perdi dois amigos motoqueiros em acidentes de moto. Ambos bebiam pouco mas pitavam que era uma maravilha. Segundo testemunhas, nos dois casos, eles haviam fumado maconha pouco antes dos acidentes.
Um arrebentou o portão de uma casa e se esborrachou na parede da varanda. O outro enfiou a moto numa mureta de árvore e morreu com capacete e tudo. Menos mal que não atropelaram ninguém.
A não ser que a pessoa envolvida em acidentes apresente claros sinais de chapação, tudo é resolvido na bucha se o teste não acusar álcool na corrente sanguinea. Maconha virou carne de vaca. Fuma-se no café da manhã, no banheiro do escritório, na barraca jovem do parque, na rua, na chuva, na fazenda ou numa casinha de sapé. O papa fuma um todo dia.
Vai lá saber se em tantos casos de mortes no trânsito (em Maringá e em outros lugares) não tem fumo na parada.

Um comentário:

Wilson Alves disse...

Possivelmente haverão acidentes de transito em que a maconha até pode ser o agente causador, bem como, outros tantos em que o condutor do veículo NÂO tenha fumado maconha.
Por via das dúvidas a maconha não será descriminada.
Provavelmente haverão acidentes de transito em que a cerveja até pode NÃO ser o agente causador, bem como, outros tantos em que o condutor do veículo seja abstêmio.
Por dúvida das vias, tomemos todas para comemorar mais esta contradição social.