22.2.09

Big Brother

A psicanalista Maria Rita Kehl, no livro Videologias, escrito em conjunto com Eugênio Bucci, dá importantes pistas sobre o BBB:
“É verdade que os luxuosos ‘cativeiros’ dos reality shows representam uma invasão, ainda que consentida, da privacidade dos cativos. Mas se ela é consentida, digamos que o exibicionismo dos protagonistas ultrapassa o voyeurismo das câmeras.
A imprensa que acompanha o desenvolvimento desses shows afirma que a audiência se sustenta sobre o desejo do público de presenciar escândalos, brigas e cenas de sexo ‘reais’. No entanto, os escândalos são escassos, se comparados aos longos períodos em que nada digno de nota acontece”.
“Assistimos a um grupo de jovens geneticamente selecionados a gastar o seu tempo ocioso em conversas bobas, fofocas, cuidados corporais, picuinhas. O que interessa ao espectador fiel é a esperança de que a exibição, pela televisão, da banalidade de um cotidiano parecido com o seu, ponha em evidência migalhas de brilho e dê sentido que sua vida, condenada à domesticidade, não tem... A pobreza dos sonhos de fama dos que se candidatam ao cativeiro de luxo do Big Brother espelha a pobreza dos sonhos do espectador cativo, que espera o espetáculo começar”. Em síntese, o BBB incentiva os piores instintos humanos e contribui para a idiotização da nossa pobre sociedade.
“Conspirações, traições, armadilhas, estratégias descaradas para passar a perna nos companheiros e garantir a própria permanência: este é o tema do BBB”. No afã por lucros, a TV Globo pouco se importa com o conteúdo “sádico” do programa. Para ela, tudo é mercadoria. Como afirma o apresentador Pedro Bial, que renegou seu passado de jornalista sério, “tenho zero de preocupação em dar um aspecto cultural ao programa. Acho que tudo é cultura. Big Brother é tão cultura quanto Guimarães Rosa”. Haja cinismo, uma marca registrada do BBB.
(Ripado do blog do Miro)

Um comentário:

Joel disse...

Realmente é lamentável essa cultura massificada,fútil e prevísivel que nosso povo compactua,eis o reflexo nosso atraso histórico e social..
Essa psicanalista conseguiu articular perfeitamente em palavras o eu eu sinto em relação ao Big "Bosta",e não sabia como expressar..Sensacional a percepção..